Filmes

 
 

Notícias Diamond

 

27/02/2015

Kim Bodnia fala sobre a complexidade do seu personagem em '118 Dias'

Em entrevista inédita, o ator dinamarquês Kim Bodnia (Amor é Tudo o que Você Precisa) conta sobre a experiência de interpretar um torturador, de trabalhar sob a direção de Jon Stewart e de atuar com Gael García Bernal no drama 118 Dias (Rosewater, EUA, 2014), que estreia nos cinemas no dia 5 de março. 
"Eu sou como um esportista, eu gosto de treinar meus sentimentos. Eu treino o tempo todo para mostrar ao mundo como é ser dominado por sentimentos obscuros, porque eu quero que todos se livrem deles. Por isso eu coloco o meu coração e o meu trabalho nisso, para libertar as pessoas", diz Bodnia, que em 118 Dias interpreta Rosewater, o algoz de Bahari (Bernal) na prisão, responsável pelos interrogatórios e pela tortura impostos ao jornalista para confessar a suspeita de ser um traidor de seu país natal.
Durante uma grande parte do filme, Bodnia contracena com o ator mexicano Gael García Bernal, a quem conhecia de trabalhos anteriores. "Gael é muito conhecido na Dinamarca, na Escandinávia, ele é um ator brilhante", afirma o ator. "Por isso foi brilhante trabalhar com ele, nós nos demos muito bem desde o começo das filmagens".
Baseado em fatos reais, o filme narra as memórias do jornalista iraniano Maziar Bahari do período em que passou confinado, submetido a interrogatórios e sessões de tortura na Prisão Evin, no Irã, de junho a outubro de 2009, acusado de traição ao governo e à sua pátria natal.
Sobre o filme, o ator esclarece: "Eu espero que as pessoas que assistam a 118 Dias sintam que as sombras e a escuridão da vida são nossas próprias criações".
Um fato bastante curioso e comum entre os dois astros é a paixão pelo futebol.  "Gael é um ótimo jogador de futebol, e eu também adoro jogar, então todo dia nós jogávamos futebol".
Bodnia e Bernal estreiam nas telonas na próxima quinta-feira, dia 5. 

#118Dias #MaziarBahari #KimBodnia #GaelGarcia #Liberdade #Ira

  'O Jogo da Imitação' e 'Para Sempre Alice' levam Oscar para casa

25/02/2015

'O Jogo da Imitação' e 'Para Sempre Alice' levam Oscar para casa

No último domingo, em Los Angeles, aconteceu a mais importante premiação cinematográfica, o Oscar
Vencedora dos prêmios mais importantes da temporada, Globo de Ouro, SAG Awards e BAFTA, Julianne Moore confirmou seu favoritismo recebendo o Oscar de Melhor Atriz pela sua incrível performance em "Para Sempre Alice", a mais importante de sua carreira. O filme traz um tema pouco conhecido, bastante dramático e muito interessante, o Alzheimer.  Moore, que conquistou sua primeira estatueta dourada com "Para Sempre Alice", interpretando uma professora universitária que descobre aos 50 anos descobre sofrer de mal de Alzheimer, agradeceu o reconhecimento. 
"Já havia falado que ganhar o Oscar corresponde a viver por mais cinco anos e é isso mesmo. Agradeço à Academia, mesmo porque, meu marido é mais novo do que eu?, brincou a atriz de 54 anos, antes de acrescentar: "Fico feliz que a gente possa jogar uma luz sob o problema do Mal de Alzheimer. Essas pessoas merecem ser vistas para que a gente encontre uma cura."
"Para Sempre Alice chega às telonas no dia 12 de março.
Com oito indicações, "O Jogo da Imitação" conquistou o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado para Graham Moore, que fez um discurso de agradecimento emocionante. 
"Então, é o seguinte. Alan Turing nunca pôde subir num palco como esse e olhar para todos esses rostos desconcertantemente lindos, e eu posso. E essa é a coisa mais injusta que eu já ouvi. Quando eu tinha 16 anos, eu tentei me matar porque eu me sentia esquisito e me sentia diferente e sentia que não pertencia a lugar nenhum. E agora que eu estou aqui eu gostaria de dedicar esse momento aos jovens por aí que sentem que são estranhos ou diferentes ou que não se encaixam! Sim, vocês se encaixam. Eu prometo. Permaneçam estranhos, permaneçam diferentes, e quando chegar a sua vez, e vocês estiverem sobre esse palco, transmitam essa mensagem para as pessoas que virão depois de vocês", disse o roteirista.
"O Jogo da Imitação" trouxe aos cinemas a história dramática do matemático homossexual, Alan Turing que contribuiu para antecipar o fim da Segunda Guerra Mundial. O longa continua em exibição nos cinemas. 

#ParaSempreAlice #MelhorAtriz #JulianneMoore #OJogoDaImitacao #MelhorRoteiroAdaptado #GrahamMoore

  118 Dias traz uma história real da luta pela liberdade de imprensa

13/02/2015

118 Dias traz uma história real da luta pela liberdade de imprensa

O longa-metragem 118 Dias (Rosewater), que chega às telonas dia 5 de março, não é apenas baseado em fatos reais, ele retrata a difícil experiência dos 118 dias que o jornalista iraniano Maziar Bahari passou confinado, submetido a interrogatórios e sessões de tortura na Prisão Evin, no Irã, de junho a outubro de 2009, acusado de traição ao governo e à sua pátria natal.
Para contar sua história, Bahari escreveu o livro best-seler do The New York Times "Then They Came for Me:  A Family´s Story of Love, Captivity, and Survival" (Então eles vieram me buscar: uma história familiar de amor, de cativeiro e de sobrevivência), que deu origem ao filme. O roteiro, a direção e a produção executiva de 118 Dias levam a assinatura de Jon Stewart, o apresentador do programa de sátira política e social "The Daily Show with Jon Stewart".
Jon Stewart, que tem uma impressionante estreia como roteirista, produtor e diretor de cinema, acredita que 118 Dias irá fazer dois grandes e importantes alertas. "Um é lembrar as pessoas que surpresa, alegria e todas esses tipos de lindas emoções podem ainda existir na pior das condições", diz o diretor. E continua: "O outra é que aqueles que desejam se expressar não deveriam ser sujeitos às terríveis condições que Maziar enfrentou. O que esses regimes fazem com os prisioneiros é tentar isolá-los e fazê-los sentir que eles estão completamente sós". Para Stewart, o longa traz a esperança para aquelas pessoas que se encontram em situações tão terríveis como a de Maziar, pois nunca estão sozinhas e nunca são esquecidas. O diretor Jon Stewart realizou um emocionante filme de denúncia e defesa da liberdade de imprensa.

#118Dias #MaziarBahari #Livro #Liberdade #Ira

Loading

Comunidades Diamond

Loading
 
Auwe Digital